Untitled-1

Quantos assédios sofre uma mulher enquanto anda por Nova York? Se a resposta era “incontável” pelas garotas que sofrem com isso no dia-a-dia, o pessoal do Hollaback! fez um vídeo para provar que isso acontece com maior frequência do que imagina.

A modelo Shoshana B. Roberts colocou uma calça jeans e uma camiseta para passar 10 horas andando por Manhattan. Um traje comum pela área mais populosa de Nova York, como milhares de mulheres fazem todos os dias.

Rob Bliss, um cara que manja dos ~virais~ da internet, se inspirou na quantidade de assédio que sua namorada sofre e acompanhou Shoshana pela caminhada filmando tudo. Ele escondeu uma câmera na mochila, enquanto a modelo segurava dois microfones. O resultado foi esse aqui:

http://www.youtube.com/watch?v=b1XGPvbWn0A

Foram mais de 100 cantadas, sem contar os assovios e piscadas. Tem até um maluco que acompanha a garota por mais de cinco minutos. Os xavecos vão desde os “Damn, girl!” até o cara que implora por uma conversa com a modelo.

Pior que o abuso mostrado no vídeo são só os comentários deixados abaixo no vídeo. Enquanto a campanha é feita pela conscientização do tipo de caras que cometem o assédio, a resposta é totalmente o contrário. A página está cheia de gente tentando justificar o injustificável.

A coisa fica pior. Conforme o vídeo foi viralizando, o teor dos comentários ficou pior. Não é raro encontrar ameaças de estupro contra Shoshana.

Screen_Shot_2014-10-29_at_10.08.00_AM.0– Sua vadia estúpida. Eu espero que você seja estuprada.

É justamente para lutar contra este tipo de comportamento que foi criado o Hollaback!, organização em prol das minorias, seja por sexo, raça ou opção sexual. Eles estão aceitando doações para continuar com as ações de conscientização. O site deles é bem completo e traz uma boa ideia do quão grande é essa briga pelo mundo todo. Vale uma visita:www.ihollaback.org.

PROBLEMA MUNDIAL
Engana-se quem pensa que esse assédio é um problema concentrado em Nova York. Shoshana não foi a primeira garota a fazer esse tipo de experimento social. No Egito, onde 83% das mulheres declararam já ter sofrido algum tipo de abordagem invasiva por parte dos homens, duas estudantes de cinema acloparam uma câmera ao corpo e deram uma andada pela rua mais movimentada do Cairo.

http://vimeo.com/104798581

Creepers on the Bridge from Tinne Van Loon on Vimeo.

As duas estão arrecadando fundos no Kickstarter para um documentário sobre o tema.

O assédio nas ruas também inspirou Sofie Peeters, uma estudante de cinema belga, a criar uma peça de audiovisual. Ela documentou os assédios que sofre pelas ruas de Bruxelas.

http://www.youtube.com/watch?v=m0QIv7PcJhA

Na Índia, foi criado um site interativo para alertar e conscientizar a população. Em Fearless, o espectador deve dar umas voltas pelas ruas de Déli tentando evitar o assédio. Spoiler: não é fácil. Aqui no Brasil, o assédio nas ruas é gigante. A campanha Chega de Fiu-Fiu entrevistou mais de 7700 mulheres – e 96% delas afirmaram já ter sofrido algum tipo de assédio em espaços públicos!

chega de fiu-fiu~fikdik~

Relembre também nossa campanha de Carnaval (que foi lançada no — deeer — Carnaval, mas vale pro ano todo pra vida toda).