Começa iniciativa de suspender deportação nos EUA

177
0
Share:

WASHINGTON, DC (BDCi) — Imigrantes indocumentados em todo o país se preparam para aplicar para a tão esperada “Deferred Action” (Ação Diferida) que a administração Obama começará a disponibilizar a partir de quarta-feira (15).

A iniciativa de suspender a deportação, que Obama anunciou em junho, começa oficialmente na quarta-feira (15), quando um órgão federal de imigração começará a receber as aplicações.

O programa, que suspende por 2 anos o risco de deportação e permite a emissão de permissão de trabalho a imigrantes ilegais que foram trazidos ao país ainda na infância, resultou em uma tarefa gigantesca ao órgão responsável pelo processamento das aplicações, o United States Citizenship and Immigration Services. O órgão estima receber uma verdadeira avalanche de aplicações em um curto espaço de tempo, desde de 1986, quando mais de 3 milhões de imigrantes que viviam ilegalmente no país tornaram-se residentes permanentes como resultado de uma anistia.

A nova diretriz do Presidente Obama representa a iniciativa migratória mais ambiciosa até o momento, uma demonstração clara da autoridade executiva, depois que o Congresso falhou em aprovar o projeto de lei Dream Act, que permitiria a legalização definitiva de inúmeros jovens ilegais. A ordem executiva pode ajudar Barack a reconquistar os votos latinos perdidos depois que a sua administração deportou quase 1.2 milhão de ilegais, a maioria latina, durante os últimos 3 anos de seu governo.

Durante o último final de semana, os escritórios da Coalisão em Prol dos Direitos Humanitários de Imigração de Los Angeles, um grupo sem fins lucrativos, estavam lotados de pessoas buscando informações com relação ao programa. Apesar do sol escaldante, a fila se estendia da porta principal da instituição e dava à volta ao quarteirão. Multidões similares também foram verificadas em organizações comunitárias e estudantis em outros estados, todas em busca de aconselhamento.

A permissão de trabalho que os jovens imigrantes podem receber com a nova diretriz abre inúmeras portas que anteriormente estavam fechadas. Eles poderão obter o número original do Seguro Social, aplicar para a carteira de motorista, certificados profissionais e ajuda financeira para a universidade.

No sábado (11), nos escritórios da coalisão de Los Angeles, também conhecida como Chirla, inúmeros imigrantes alegaram que os benefícios superam as dúvidas. Durante todo o dia, voluntários realizaram sessões de explicações sobre a aplicação para grupos de 200 ou mais imigrantes, mesmo assim, centenas de pessoas não puderam participar, devido ao excesso de lotação na hora de fechamento.

Apesar de os conselheiros pedirem cautela, inúmeros imigrantes não estão contendo o entusiasmo. “É como dar asas para alguém que quer voar”, disse Noé Torres, de 26 anos, que disse viver ilegalmente na Califórnia desde que seus pais o trouxeram do México aos 4 anos de idade.

Segundo o Migration Policy Institute, um grupo não partidário, aproximadamente 1.2 milhão de estrangeiros é elegível para aplicar agora, com outros 500 mil jovens atingindo a idade mínima de 15 anos para aplicarem nos próximos anos. Até o momento, o maior número, cerca de 460 mil, reside na Califórnia, com grandes populações na Flórida, New York e Texas.

Os imigrantes que, porventura, qualificam para a nova diretriz, geralmente, são os mesmos que seriam elegíveis caso o Dream Act tivesse sido aprovado. Entretanto, diferente do projeto de lei (e a anistia de 1986), o novo programa, formalmente chamado de “Deferred Action for Childhood Arrivals”, suspende as deportações, mas não concede a legalidade ou qualquer caminho futuro à legalização.

Para serem elegíveis, os imigrantes devem viver no país e ter menos de 31 anos em 15 de junho de 2012, quando o programa foi anunciado. Eles devem ter chegado aos EUA antes dos 16 anos de idade e viver continuamente no país por pelo menos 5 anos. Além disso, eles devem estar matriculados na escola, ter se graduado no ensino secundário ou servido nas forças armadas.

Os imigrantes condenados por um delito, um crime sério, incluindo abuso sexual ou drogas, ou 3 delitos menores, terão as aplicações rejeitadas, assim como aqueles considerados perigo à segurança nacional e pública. Não há prazo limite para as aplicações, que incluem a tarifa de US$ 465. No geral, não existe apelação caso uma aplicação seja negada, entretanto, os imigrantes podem aplicar novamente e pagar a tarifa de novo.

Por Janete Weinstein

Fonte Los Angeles Times

15 de agosto de 2012 2:53 p.m. PST

Share:

Leave a reply