Começou a Expo Natal na Casa Artesanal de Cabo Frio

303
0
Share:

“Natal legal é na Casa Artesanal”. Esse é o slogan que desde a última sexta-feira (13/12) está circulando nas redes sociais e nas ruas de Cabo Frio. É a propaganda boca-a-boca divulgando um trabalho diferente e superconsciente: a decoração de Natal, feita com material com produtos reutilizáveis, cedidos pela Cooperativa FRT em exposição e vendas na Casa Artesanal.

E o clima na Casa é de muita união, com os artesãos aflorando sua criatividade.

– Se você não sabe o que dar para aquele amigo oculto ou pra amiga que já tem de tudo, que tal ir à Casa Artesanal e escolher um presente que com certeza eles não vão ter. Que tal presentear aquela criança com o artesanato esse ano? Chega de produtos eletrônicos, vamos valorizar a arte. Criativos e diferenciados, o artesanato de Cabo Frio é uma boa opção nesse Natal, destaca a coordenadora setorial da secretaria de Turismo de Cabo Frio e também artesã, Vânia Carvalho.

Sucesso de público, o espaço conta com uma grande variedade de artesanatos das mais diversas cores, formas e tamanhos; seja utilidade do lar, uso pessoal, peça decorativa, linha infantil, já vista e adquirida por cerca de 3 mil pessoas que passaram pela Casa desde sua abertura, em 22 de outubro deste ano.

– Os dias tem sido de muito trabalho. Atender ao cliente com tranquilidade, elaborar ideias e atender um a um com atenção… Esse tem sido o diferencial da casa. O cliente pode conversar do seu ambiente que quer decorar. Escolher tamanhos, cores e modelos adequados. Um atendimento de qualidade garante Lúcia Helena, também artesã e coordenadora setorial da Sectur.

O artesão de Cabo Frio viveu um ano de muitas conquistas. Graças ao governo Alair Corrêa esse profissional foi reconhecido pelo seu trabalho junto ao atrativo turístico e cultural que tanto colaborou para a edificação do nome da Cidade.

– Depois de anos de descaso, o governo Alair Corrêa proporcionou o resgate do artesanato de Cabo Frio através do apoio oferecido pela SECTUR ao valorizar esse segmento, nas viagens dentro e fora do Brasil, divulgando o trabalho desses artistas nas feiras de turismo. A partir daí, nosso artesanato ganhou força, sendo valorizado nos eventos da Cidade, ganhando destaque na mídia e culminando pela oferta de um espaço permanente. O prefeito Alair Corrêa foi o único que compreendeu a importância do artesanato de Cabo Frio para o desenvolvimento turístico de nossa cidade. O atrativo que este segmento traz e representa mostra como nossa terra possui valores que mereciam estar trabalhando dignamente e assim, hoje, o artesão é sinônimo de orgulho e respeito, comemora Vânia Carvalho.

A Casa Artesanal funciona na rua Carlos Mendes, esquina com rua Inglaterra, s/ nº. Próximo a Veterinária Cabo Frio, no Jardim Caiçara.

Sectur: Quantos artesãos estão trabalhando nas peças de Natal? Que tipo de produtos e enfeites está em exposição e venda?

Vânia: São mais ou menos uns 8 artesãos que confeccionam além de outros os enfeites natalinos. Temos muitas variedades: porta panetones, árvores de Natal, guirlandas, enfeites de mesa, panos de prato além de todo trabalho fora do tema natalino como: luminárias, bolsas, bijuterias, bonecas, chaveiros, além de todo tipo de decoração os ambientes com temas bastante diversificados que trazem um leque de opções de presentes para os visitantes.

Sectur: A Casa já está funcionando diariamente? Em que horário?

Vânia: A Casa Artesanal passará a funcionar diariamente só depois do Natal, ou seja, dia 26, a partir das 16h. No momento ela continua funcionando sexta, sábado e domingo, também a partir das 16h. Entendemos que por conta do calor forte, foi necessário estender o horário de funcionamento, para que os turistas possam aproveitar ao máximo da praia e depois sim, no finalzinho da tarde curtir os encantos da Casa Artesanal.

Sectur: As peças de Natal variam de quanto a quanto?

Vânia: Temos enfeites para decoração de árvores que estão a 3 reais; guirlandas que vão de 25 a 45 reais, enfeites para decoração de mesa a partir de 15 reais, paninhos de prato a 25 reais, enfim, os preços variam de 3 a 45 reais.

Sectur: Quais as expectativas de vendas por parte dos artesãos? Estão animados? E você como coordenadora?

Vânia: A expectativa é sempre positiva; a Casa Artesanal tem proporcionado aos artesãos uma injeção de ânimo que os ajuda na criação de novas peças e cuidados com o acabamento. Quanto a mim, acredito, que com a divulgação chegando até aos turistas, a Casa Artesanal seja uma grande sucesso desse verão, pois todos que a visitam, saem de lá tecendo elogios diante da beleza e da inovação desse novo espaço do artesanato.

Sectur: Vamos ter novidades para o ano que vem? O que? 

Vânia: Sim. A proposta para o ano que vem, é a formação de cursos de artesanato, pois estamos recebendo muitos pedidos, para que os próprios artesãos da Casa ministrem aulas de capacitação. Isso é muito gratificante, pois demonstra o interesse que o artesanato traz as pessoas e de como ele pode ser importante para a socialização e geração de renda da população.

Sectur: Quantos quartos temáticos tem a casa? Quais são? Qual é o mais visitado?

Vânia: A casa possui 22 ambientes são: cozinha, salão de visitas com 4 mesas decoradas diferentemente para refeição, corredor, 8 banheiros, área externa, espaço Zen, área de churrasqueira e os quartos que se dividem em: quarto da vovó, quarto do bebê, quarto do casal, quarto romântico, quarto do menino, quarto da menina, quarto natalino e boutique. O quarto mais visitado é a boutique por apresentar uma seleção variada de trabalhos que vão desde utilitários até a arte decorativa, porém o quarto que, mas encanta é o quarto romântico, as pessoas ficam maravilhadas com a decoração e adoram serem fotografadas nele.

Sectur: Ao todo são quantos artesãos trabalhando na Casa?

Vânia: A Casa tende a variar, por isso a quantidade de artesãos se torna flutuante, pois ao mesmo tempo em que alguns resolvem sair por problemas pessoais, outros acabam entrando e renovando o ambiente. Posso dizer que hoje contamos com mais ou menos 40 artesãos.

Sectur: A oficina está funcionando também durante o movimento?

Vânia: Sim. A oficina é um espaço onde o artesão confecciona em tempo real seus trabalhos e os visitantes gostam não só de apreciar essa produção como também fazem perguntas, tiram dúvidas e recebem dicas dos profissionais.

Sectur: Desde que o projeto começou a funcionar o que tem de história pra contar?

Vânia: Passamos por um momento de adaptação depois que a Casa se tornou um espaço fixo. Tivemos alguns problemas de retirada de material por parte daqueles que nos concederam o empréstimo apenas por 3 dias, agora estamos tendo que refazer alguns ambientes que ficaram desfalcados. Um deles é o espaço Zen que perdeu o BUDA, já que ele pertencia ao decorador Solér Viana. Mas, nada que prejudique o ambiente em termos de estética, pois já estamos preparando uma temática para essa área que talvez receba uma decoração grega. Vai ficar um must!

Sectur: O prefeito continua apoiando plenamente o projeto?

Vânia: Sim. O prefeito Alair Corrêa atende sempre aos meus pedidos, autorizando as modificações, a parte publicitária da Casa, pois ele sabe que todos gostaram muito do empreendimento e que com certeza os turistas também vão ficar encantados.

Telma Flora  | Jornalista Profissional 

Assessora de Imprensa – Secretaria de Turismo de Cabo Frio

Share: