Eduardo Lima: Inovando a gastronomia californiana com seu toque brasileiro

263
0
Share:

O Califórnia dreaming não acontece simplesmente, você faz acontecer!

(BDCi) — Hoje falamos de um brasileiro que está deixando seu “sabor” registrado na gastronomia californiana.  O Chef Eduardo Lima é o nosso convidado especial deste mês.

Com uma cozinha autoral, acredita que usar um  ingrediente fresco e de boa qualidade é o fator mais importante para se ter um excelente resultado na comida. Com técnicas que aprendeu nos restaurantes em que passou, se esforça para elevar o melhor sabor do ingredientes e criar uma experiência multissensorial, onde o sabor é fundamental.

Na Califórnia cozinhou em estilos de cozinhas diferentes, desde American Cuisine (Kettner exchange) até a mais famosa feira dos EUA, a Farmers Market onde fez brazilian street food.

Um pouco mais sobre a história de Eduardo Lima

O paulista se interessou pela cozinha em 2013 quando ainda estudava engenharia civil. Resolveu ir atrás do que realmente gostava de fazer, trocando assim o curso de engenharia e o conforto do país para cursar culinary arts pela SDCE em San Diego na Califórnia, onde se formou em 2016.

1. Como surgiu o gosto pela gastronomia?
Foi através de um programa na televisão que chamava “Homens Gourmet”. Eram 4 amigos que cozinhavam e conversavam diariamente sobre assuntos voltado para classe masculina, com muita simplicidade e bom humor.  
 

2. Quem foi sua fonte de inspiração?

Depois que comecei a acompanhar um pouco mais e arriscar algumas receitas (que por sinal ficaram horríveis), a maior fonte de inspiração foi o britânico Jamie Oliver. A dinâmica na qual ele cozinha e explica toda a receita me fez enxergar a gastronomia como algo à qual todas as pessoa deveriam se espelhar. Aquilo me prendia a atenção !!!

3. Qual o momento em que você decidiu largar tudo e vir para califa? Rolou um choque cultural? Como foi o desafio de trazer a família pra cá?

Eu sempre tive o sonho de morar nos EUA, sabia que um dia isso iria acontecer, só não sabia quando. Já infiltrado nesse mundo da gastronomia, junto com a minha esposa, decidimos vender nosso apartamento, só não imaginávamos que seria tão rápido! Com uma data para entregar o apartamento ao novo morador,  resolvemos passar uma temporada estudando um novo idioma e eu com o objetivo de tentar fazer um curso de gastronomia. Eu apenas cozinhava em casa e sem nenhum conhecimento técnico da área.  Chegando aqui o maior desafio foi exatamente o inglês (como é difícil tentar se explicar  e ninguém entender o que você esta falando) mas com o tempo e ajuda de alguns brasileiros que se tornaram amigos fomos nos adaptando. Na época a minha filha tinha apenas 1 ano de idade e para alguns, essa mudança era uma loucura que estávamos fazendo e um risco muito grande de dar tudo errado. Mas eu e minha esposa nos planejamos bastante e estava tudo dentro do nosso controle. Tínhamos certeza de que esse era o momento certo para ir atrás dessa experiência e objetivo. E deu certo !!!
 

4. Quais foram suas maiores dificuldades nessa indústria que quase não abre espaço para estrangeiros? Como você se diferencia dos outros Chefes? Qual sua marca registrada e linha que você segue? 

Sem conhecimento algum na gastronomia profissional, o que me restava era entrar no mercado de qualquer maneira para adquirir esses conhecimentos. Trabalhei para um amigo na farmers market (uma feira de rua bastante conhecida nos EUA pelos produtores locais e com comidas de diferentes países). Foi uma oportunidade fantástica que tive, porque além de treinar o inglês diariamente, conheci pessoas que me ajudaram muito e dentre essas,  o dono de uma barraca de comida brasileira que depois de alguns anos abriu um restaurante e na época me deu a oportunidade de ser um cozinheiro profissional na prática. Depois disso, comecei a fazer um curso técnico de comidas regionais, gratuito,  por uma escola pública de San Diego. Foi onde me dediquei ao máximo para aprender e NUNCA faltei às aulas, (atitudes de interesse e dedicação abrem espaços em qualquer área e pra qualquer estrangeiro). Isso chamou um pouco a atenção da professora que no término do curso me perguntou se eu não queria começar uma graduação na área totalmente gratuita. Mal ela sabia que esse era o meu maior objetivo desde quando cheguei nos EUA. Hoje formado, estou estudando diferentes cozinhas, mas adoro trabalhar com uma cozinha autoral e com produtos locais da Califórnia.

Edu, a nossa profissão é cheia de alegrias mas também de momentos difíceis, segue em frente lembrando sempre dos erros que já cometeu, os acertos nossos amigos não nos deixarão esquecer.”

5. Como foi superar seus obstáculos?
Às vezes com a falta de conhecimento o maior problema do cozinheiro é quando a comida não sai exatamente da maneira que planejou, e isso é algo que sempre me incomodou. Um determinado dia de evento isso ocorreu comigo e sempre achei que nunca iria saber cozinhar sempre o mesmo sabor. Eu me achava apenas um sortudo que fazia uma comida nem ruim e nem gostosa, apenas normal. Esse dia pensei em largar tudo, mas antes mandei uma mensagem sem esperança de retorno para o Alex Atala (o melhor cozinheiro brasileiro) e ele me respondeu assim: Edu, a nossa profissão é cheia de alegrias mas também de momentos difíceis, segue em frente lembrando sempre dos erros que já cometeu, os acertos nossos amigos não nos deixarão esquecer.” Superar obstáculos é mais fácil quando você sabe que não está sozinho.
 
6. Defina sua trajetória em 5 palavras?
Deus, família, dedicação, persistência e amor.
Chef Eduardo Lima

Foto: Israel Gonzalez | BDCi TV

7. Porque a Califa para morar? Defina a Califórnia. A Califórnia Dreaming, você já está vivendo?

Meu plano inicial era ir para NYC porque tem um mercado gastronômico mundialmente conhecido, porém uma amiga da minha esposa que já morou em San Diego disse que a cidade seria uma cidade melhor para se adaptar, em relação a contatos, clima e qualidade de vida para criar a minha filha. A Califórnia é um mix de qualidades, como a educação dos residentes, segurança nas ruas, clima agradável, praticidade e o sossego da cidade.

8. Qual seu maior orgulho profissional? 
Por ter apenas 2 anos de carreira o meu maior orgulho hoje é ouvir um elogio de quem valoriza essa profissão e isso tem me motivado cada vez mais.

9. Planos para o futuro? Já atingiu seus planos? Se não, conta mais
 Ainda não atingi meu plano principal que é ter meu próprio restaurante, mas naturalmente isso irá acontecer.

 

Los Angeles, CA – 12.15.16, BDCi TV Business Networking Event at G2 Gallery in Venice – Cuisine by Chef Eduardo Lima – Foto: Israel Gonzalez | BDCi TV

10. Eduardo Lima, mas alguma coisa que você gostaria de adicionar nesta entrevista? 
Assim como eu comecei a cozinhar acompanhando chefes através de programas de gastronomia, tenho uma curiosidade em seguir essa carreira também. 
Ficou curioso para saber os pratos que o Chef Eduardo Lima prepara? Então dá uma olhada no instagram dele @edugomeslima – O cara é fera!
Todo mês a BDCi traz para você uma entrevista com brasileiros que estão vivendo o Califórnia Dream. Clique aqui para ver outras entrevistas
Share:

Leave a reply