Empresário sim, auto-emprego não

1169
0
Share:

Que empresário você quer ser? Abrir uma empresa é muito simples. Basta escolher o ramo, idealizar o projeto, marcar qual a faixa de faturamento se deseja alcançar e se inscrever como micro empreendedor individual, micro empresário ou empresário.

Com apenas os dados pessoais e nenhum capital assim tão volumoso, qualquer pessoa maior de idade pode abrir seu negócio e registrar sua empresa no papel. Mas qualquer empresário será você? Um empresário com todo o teor da palavra ou um auto-empregado? Então vejamos. Colocar a empresa em funcionamento, ou seja sair da planta imaginária e entrar na vida real é um capitulo a parte a ser cunhado pelo idealizador do negócio.

Essa será a fase de investimento de recursos e aplicação de ideais que irá retornar a curto ou longo prazo. Ou não. Vai depender de como vai funcionar o negócio ou como o empresário irá ‘trabalhar’ com sua marca. Os economistas tradicionais já aconselham: comece, vá edificando sua marca, invista em boas equipes, delegue obrigações, distribua tarefas, aplique em uma formula de sucesso e faça seu negocio girar sozinho. Uma fórmula de empreendedorismo eficiente? Sim, conquiste seu cliente e para ele que você e seus colaboradores irão trabalhar.

É bom lembrar: reserve sempre uma parcela de seus recursos para aplicar em campanhas publicitárias para lembrar a todos que sua marca está ai e é a melhor escolha para  satisfazer as necessidades de seu público.

Enxergar oportunidades
Um empresário é aquele que enxerga uma oportunidade, põe a mão na massa monta sua equipe e delega funções. Um empresário ‘liga’ a máquina que segue funcionando mesmo que ele não esteja por perto, unipresente. O seu negócio ou seu produto vai existir independente de sua presença física. O empresário faz a sua empresa um conceito, uma imagem, uma marca, um elemento na vida das pessoas.   Fazer a empresa operar de fato, gerar dividendos, contribuir com divisas e o desenvolvimento de uma linha de produção ou o produto em si é descobrir o que o consumidor quer, precisa, deseja.

Desde o primeiro momento de ser possuidor de um CNPJ e de uma razão social o empresário é portador de uma transformação. Esse empresário  pode trazer consigo os sócios, suas filiais, um grupo, um holding, uma linha de franqueadas. Para chegar a tanto o empresário viu a oportunidade de produzir algo que se tornaria útil e praticável em um determinado público alvo.

Thiago La Torre  – Empresário, especialista em estratégias de marketing.

Share: