Galo conquista título inédito da Libertadores com Mineirão lotado

579
0
Share:
Galo decide no Mineirão título inédito para a sua história.

BELO HORIZONTE (BDCi) —  O Galo conquistou nesta quarta-feira (24) o tão almejado título de campeão da Taça Libertadores da América ao vencer no Mineirão o Olímpia do Paraguai  por 4 a 3 nos pênaltis. No tempo normal o Atlético Mineiro venceu por 2 a 0, placar igual ao jogo de ida no Defensores Del Chaco, campo do adversário, levando a partida para uma prorrogação de 30 minutos. O resultado foi um 0 a 0, obrigando as equipes decidirem a Taça nos pênaltis.

A série dos 5 pênaltis foi iniciada com uma cobrança paraguaia através de Miranda e Victor defendeu e terminou com a última cobrança feita por Giménez que chutou na trave. Pelo Atlético Mineiro, Alecsandro, Guilherme,  Jô e Leonardo Silva acertaram todas as penalidades batida.

Os quase 60 mil torcedores que lotaram o Mineirão incentivaram o Galo durante toda a partida com o grito de “Eu acredito”.  Os jogadores ao entrarem em campo foram recebidos com um grande mosaico preparado pela sua torcida e que dizia “YES, WE CAM”, alusão ao tema de campanha de Obama em sua última campanha eleitora: “YES, WE CAN”,  ‘SIM, NÓS PODEMOS”.

Apesar de dominar todo o primeiro tempo dando um sufoco no adversário, o placar não foi mexido e terminou mesmo em zero a zero. Veio o segundo tempo e logo no primeiro minuto de jogo, Jô abriu o placar após uma furada do Pitonni. A torcida foi à loucura  no Mineirão. Estava aberta a possibilidade do segundo gol e mesma a esperança do terceiro gol, o que liquidaria o jogo sem precisar prorrogação e pênaltis. A torcida incentivava o tempo todo e em campo os jogadores respondiam fazendo pressão sobre o adversário. Era um jogo de ataque contra defesa. Aos 41 minutos, Bernard cruza da direita e Leonardo Silva testa no canto do gol defendido por Martín Silva. Galo 2 a 0. Mesmo com toda pressão para fazer o terceiro gol, o jogo terminou mesmo em 2 a 0. Com os jogadores dos dois times visivilmente cansados o jogo teve mesmo que ir para a prorrogação. Bernard sentiu muitas câimbras e não pode ser substituido, pois o técnico Cuca já promovera as 3 substituições permitidas em uma partida. O Galo continuou impondo o seu rítmo chegando a colocar uma bola na trave do Olímpia que continuou a se defender como podia. O goleiro paraguaio fazia cera e acabou levando cartão amarelo. O juiz deu 1 minuto a mais no tempo da prorrogação que acabou sem gols. Nos pênaltis São Victor voltou a atuar ao defender a primeira cobrança. Era noite do Galo conquistar o seu primeiro título da Taça Libertadores de forma sofrida mas com final feliz.

A renda foi a maior da América do Sul e chegou a R$14.l76.146 para um público pagante de 56.557 e uma presença total de 58.620. Agora é esperar dezembro entre os dias 11 a 21, para  encarar possivelmente  o Bayer de Munique na disputa do melhor do mundo, em Marrocos.

Share:

Leave a reply