Homenagem: Mãe nem sempre o paraíso

273
0
Share:
dia das mães

Homenagem da escritora Sagramor Farias as mães brasileiras.

A dor extrema ao se conceber um filho é deveras crucial…
Mas assim estava escrito: “Parirás na dor”
E surge os mais diversos tipos de mães.
Mãe Feliz – que depois da dor, tem em seus braços o filho bem amado, desejado, partilhado com todos aqueles que fazem parte de sua vida.

Mãe infeliz – que carrega nos braços o filho não querido, fruto incômodo de uma relação inconsequente, concebendo o filho contrariada, despreparada, desesperada, tornando a sua dor maior ainda.

Mãe adotiva – que gerou na emoção, o filho esperado, sem se importar que não é o seu sangue mas sim o amor que se infiltrou em suas veias por este ser indefeso.

Mãe corajosa – que arrisca a própria vida para conceber em suas entranhas o filho que não poderia ter, mas que mesmo assim, o arriscar valeu a pena.

Mãe de aluguel – que empresta o seu útero a favor de outra mulher que por algum motivo lhe foi negado o direito de conceber.

Mãe menina – que, perdida em seus anseios de menina, pariu cedo demais a condição de mãe, precisando muito, ser filha ainda. Pobre mãe menina que nem saiu da adolescência e já tem a responsabilidade de adulto.

Mãe irresponsável – que abandona o filho a mercê do mundo, pois que sua realidade não condiz para esta nobre missão e se enfraquece diante da enorme responsabilidade.

Mãe por diversas razões: por querer, por não querer, por conveniência, por negligência.

Bom seria se tivéssemos um jeito seguro de ser mãe, dado somente àquelas mulheres que realmente optasse por este papel importante da vida.
Mulheres preparadas conscientemente para a maternidade
plenas do poder que esta função requer.
Teríamos mães mais felizes, mais amorosas, compreensivas, justas e imparciais.

Mas não é assim, a vida tem as suas complexidades e é preciso sabedoria para desprender-se de si mesmo e acolher os que ainda estão em processo de desenvolvimento pessoal e evolução espiritual, aqui neste planeta azul.

Mãe – nem santa, nem rainha
apenas uma mulher corajosa que erra e acerta no anseio de educar bem o seu filho.

Segundo domingo de maio, dia em que se comemora o Dia das Mães.
Convencionou-se esta data, poderia ser outra qualquer, não faria diferença.
O importante é que se ressalte a imagem da Mãe, que por motivos vários concebeu o filho para este mundo e abençoá-la por esta dádiva.

 

Para conhecer o trabalho de Sagramor Farias, clique AQUI!

Share:

Leave a reply