Obama rejeita acordo sem alta de impostos

245
0
Share:

WASHINGTON (BDCi) — O presidente Barack Obama, reafirmou nesta terça-feira que não haverá acordo sobre a redução do déficit sem uma alta de impostos para os mais ricos. “Um acordo é possível”, disse ele “mas será necessário que a taxa de 2% suba, e não cederemos neste ponto”, afirmou.

Obama não quis se comprometer com uma taxa máxima específica para os impostos aos americanos mais ricos – que ele define como pessoas com ganhos individuais de 200 mil dolares ou famílias com renda de 250 mil por ano – em 2012 ou no ano que vem.

Em entrevista Obama deu a entender que existe uma grande margem de negociação, mas sem informar se a taxa de impostos voltará ao nível de 39,6% que vigorou até a administração do presidente Bill Clinton (1993-2001).

O presidente quer estender a redução dos impostos à maioria das pessoas e aumentar os impostos sobre os mais ricos. Já os republicanos buscam ampliar o prazo de redução de impostos para todos por mais um ano e então discutir os cortes de gastos e as mudanças nos impostos.

Obama argumentou que não há tempo antes do prazo final para trabalhar na abrangente reforma dos impostos e programas sociais como desejam os republicanos. “Então, vamos estabelecer um processo no tempo correto no fim de 2013 quando trabalharemos na reforma dos impostos, observaremos as brechas e as deduções que tanto os democratas como os republicanos estão dispostos a concordar”, explicou o presidente.

A falta de um acordo até 2 de janeiro provocará o chamado “abismo fiscal”, com a entrada em vigor de uma série de cortes e alta de impostos, que segundo especialistas pode arrastar o país novamente para a recessão.

Alguns analistas acreditam que a crise sobre o “abismo fiscal”‘ pode ser evitada com os republicanos concordando em aumentar a taxa máxima de impostos, mas a um nível mais baixo que os impostos da era Clinton.

Por: Josi Chevalier
Fonte: Bloomberg/G1/AFP
Foto: abcnews.com
04 de Dezembro de 2012
9:33 p.m. PST

Share:

Leave a reply