Operação prende suspeitos de tráfico de drogas em quatro estados

192
0
Share:
PF prende quadrilha de tráfico de drogas em quatro Estados.

Agentes da Polícia Federal prenderam 30 acusados de integrar uma quadrilha de tráfico de drogas na manhã desta quinta-feira (18), entre elas dois suspeitos de liderar a organização criminosa. Ao todo, devem ser cumpridos 52 mandados de prisão durante a Operação Comboio, deflagrada em Mato Grosso, Tocantins, Pará e Maranhão. De acordo com a PF, foram cumpridos 38 mandados de prisão, sendo que oito pessoas já estavam detidas e os mandados foram cumpridos nas respectivas unidades prisionais onde elas cumprem pena.

Os detidos estão sendo conduzidos para a delegacia da PF de Cáceres, a 250 quilômetros de Cuiabá. Além das prisões, a polícia cumpre 30 mandados de busca e apreensão nos quatro estados. Foram apreendidos veículos utilizados pela organização criminosa, armas de fogo, inclusive de uso restrito da polícia, e R$ 30 mil em dinheiro.

Também devem ser efetuadas prisões em Tangará da Serra, Guarantã do Norte, Conquista D’Oeste e Porto Alegre do Norte. Já foi cumprido mandado de prisão em Palmeiras (TO). Um efetivo de 200 policiais federais foram designados para atuar na operação.

De acordo com a PF, as investigações começaram há um ano após a identificação de uma nova rota de tráfico de entorpecente. A organização criminosa passava com pasta base de cocaína e maconha pela BR-070, com destino aos estados do Pará e Maranhão.

A droga, conforme a polícia, era comprada na Bolívia e distribuída em vários estados brasileiros. Nas investigações, a polícia colheu informações de um grupo de pessoas envolvidas com o tráfico interestadual de cocaína que estaria atuando na região de Pontes e Lacerca e cidades vizinhas com o envio de cargas de droga para o Maranhão e Pará.

Durante o inquérito, 13 pessoas foram presas em flagrante, sendo que a maioria por atuar como ‘mula’, ou seja, no transporte da droga, e quase 600 quilos de entorpecente apreendidos.

 

Pollyana Araújo Do G1 MT

Share:

Leave a reply