85 países concorrem ao Oscar de melhor filme estrangeiro

178
0
Share:

O Oscar revela quem são os países concorrentes na categoria de melhor filme estrangeiro

LOS ANGELES, CA (BDCi) – A organização do Oscar revela quem são os 85 países que competirão na categoria de filme de língua estrangeira e dentre eles também está o Brasil. Em sua próxima edição que será em 2017, a academia comemorará o 60º aniversário da premiação da categoria de filme de língua estrangeira no 89º Academy Awards®.

A novidade deste ano é a participação do Iémen pela primeira vez na história da academia. Falando um pouquinho do histórico, vale lembrar que a categoria de filme estrangeiro foi introduzida em 1956 na vigésima nona edição do Academy Awards.

Em comemoração ao seu 60º aniversário, a academia criou uma lista completa dos discursos de aceitação e uma galeria com todos os vencedores do Foreign Language Film Oscar®.

A 89th edição do Oscars® será realizada no domingo, dia 26 de fevereiro de 2017, no Dolby Theatre® em Hollywood & Highland Center® e será televisionado ao vivo pela rede de televisão ABC as 19hs e pelo canal Enterteinment Television as 16hs. O Oscar também será televisionado ao vivo em mais de 225 países e territórios em todo o mundo.

Confira a lista dos concorrentes:

Albania, “Chromium,” Bujar Alimani, diretor;

Algeria, “The Well,” Lotfi Bouchouchi, diretor;

Argentina, “The Distinguished Citizen,” Mariano Cohn, Gastón Duprat, diretores;

Australia, “Tanna,” Bentley Dean, Martin Butler, diretores;

Austria, “Stefan Zweig: Farewell to Europe,” Maria Schrader, diretores;

Bangladesh, “The Unnamed,” Tauquir Ahmed, diretores;

Belgium, “The Ardennes,” Robin Pront, diretor;

Bolivia, “Sealed Cargo,” Julia Vargas Weise, diretor;

Bosnia and Herzegovina, “Death in Sarajevo,” Danis Tanovic, diretor;

Brazil, “Little Secret,” (Pequeno Segredo), David Schurmann, diretor;

O filme brasileiro "Pequeno Segredo" concorre ao Oscar de melhor filme estrangeiro em Hollywood

O filme brasileiro “Pequeno Segredo” concorre ao Oscar de melhor filme estrangeiro em Hollywood. Foto: Google Images

Bulgaria, “Losers,” Ivaylo Hristov, diretor;Cambodia, “Before the Fall,” Ian White, diretor;

Canada, “It’s Only the End of the World,” Xavier Dolan, diretor;

Chile, “Neruda,” Pablo Larraín, diretor;

China, “Xuan Zang,” Huo Jianqi, diretor;

Colombia, “Alias Maria,” José Luis Rugeles, diretor;

Costa Rica, “About Us,” Hernán Jiménez, diretor;

Croatia, “On the Other Side,” Zrinko Ogresta, diretor;

Cuba, “The Companion,” Pavel Giroud, diretor;

Czech Republic, “Lost in Munich,” Petr Zelenka, diretor;

Denmark, “Land of Mine,” Martin Zandvliet, diretor;

Dominican Republic, “Sugar Fields,” Fernando Báez, diretor;

Ecuador, “Such Is Life in the Tropics,” Sebastián Cordero, diretor;

Egypt, “Clash,” Mohamed Diab, diretor;

Estonia, “Mother,” Kadri Kõusaar, diretor;

Finland, “The Happiest Day in the Life of Olli Mäki,” Juho Kuosmanen, diretor;

France, “Elle,” Paul Verhoeven, diretor;

Georgia, “House of Others,” Rusudan Glurjidze, diretor;

Germany, “Toni Erdmann,” Maren Ade, diretor;

Greece, “Chevalier,” Athina Rachel Tsangari, diretor;

Hong Kong, “Port of Call,” Philip Yung, diretor;

Hungary, “Kills on Wheels,” Attila Till, diretor;

Iceland, “Sparrows,” Rúnar Rúnarsson, diretor;

India, “Interrogation,” Vetri Maaran, diretor;

Indonesia, “Letters from Prague,” Angga Dwimas Sasongko, diretor;

Iran, “The Salesman,” Asghar Farhadi, direcor;

Iraq, “El Clásico,” Halkawt Mustafa, diretor;

Israel, “Sand Storm,” Elite Zexer, diretor;

Italy, “Fire at Sea,” Gianfranco Rosi, diretor;

Japan, “Nagasaki: Memories of My Son,” Yoji Yamada, diretor;

Jordan, “3000 Nights,” Mai Masri, diretor;

Kazakhstan, “Amanat,” Satybaldy Narymbetov, diretor;

Kosovo, “Home Sweet Home,” Faton Bajraktari, diretor;

Kyrgyzstan, “A Father’s Will,” Bakyt Mukul, Dastan Zhapar Uulu, diretores;

Latvia, “Dawn,” Laila Pakalnina, diretor;

Lebanon, “Very Big Shot,” Mir-Jean Bou Chaaya, diretor;

Lithuania, “Seneca’s Day,” Kristijonas Vildziunas, diretor;

Luxembourg, “Voices from Chernobyl,” Pol Cruchten, diretor;

Macedonia, “The Liberation of Skopje,” Rade Šerbedžija, Danilo Šerbedžija, diretores;

Malaysia, “Beautiful Pain,” Tunku Mona Riza, diretor;

Mexico, “Desierto,” Jonás Cuarón, diretor;

Montenegro, “The Black Pin,” Ivan Marinović, diretor;

Morocco, “A Mile in My Shoes,” Said Khallaf, diretor;

Nepal, “The Black Hen,” Min Bahadur Bham, diretor;

Netherlands, “Tonio,” Paula van der Oest, diretor;

New Zealand, “A Flickering Truth,” Pietra Brettkelly, diretor;

Norway, “The King’s Choice,” Erik Poppe, diretor;

Pakistan, “Mah-e-Mir,” Anjum Shahzad, diretor;

Palestine, “The Idol,” Hany Abu-Assad, diretor;

Panama, “Salsipuedes,” Ricardo Aguilar Navarro, Manolito Rodríguez, diretors;

Peru, “Videophilia (and Other Viral Syndromes),” Juan Daniel F. Molero, diretor;

Philippines, “Ma’ Rosa,” Brillante Ma Mendoza, diretor;

Poland, “Afterimage,” Andrzej Wajda, diretor;

Portugal, “Letters from War,” Ivo M. Ferreira, diretor;

Romania, “Sieranevada,” Cristi Puiu, diretor;

Russia, “Paradise,” Andrei Konchalovsky, diretor;

Saudi Arabia, “Barakah Meets Barakah,” Mahmoud Sabbagh, diretor;

Serbia, “Train Driver’s Diary,” Milos Radovic, diretor;

Singapore, “Apprentice,” Boo Junfeng, diretor;

Slovakia, “Eva Nová,” Marko Skop, diretor;

Slovenia, “Houston, We Have a Problem!” Žiga Virc, diretor;

South Africa, “Call Me Thief,” Daryne Joshua, diretor;

South Korea, “The Age of Shadows,” Kim Jee-woon, diretor;

Spain, “Julieta,” Pedro Almodóvar, diretor;

Sweden, “A Man Called Ove,” Hannes Holm, diretor;

Switzerland, “My Life as a Zucchini,” Claude Barras, diretor;

Taiwan, “Hang in There, Kids!” Laha Mebow, diretor;

Thailand, “Karma,” Kanittha Kwunyoo, diretor;

Turkey, “Cold of Kalandar,” Mustafa Kara, diretor;

Ukraine, “Ukrainian Sheriffs,” Roman Bondarchuk, diretor;

United Kingdom, “Under the Shadow,” Babak Anvari, diretor;

Uruguay, “Breadcrumbs,” Manane Rodríguez, diretor;

Venezuela, “From Afar,” Lorenzo Vigas, diretor;

Vietnam, “Yellow Flowers on the Green Grass,” Victor Vu, diretor;

Yemen, “I Am Nojoom, Age 10 and Divorced,” Khadija Al-Salami, diretor

 

Você já assistiu a algum deles? Qual o seu preferido?  Compartilhe conosco via redes sociais.  Marque e mencione a @bdcitv em seus posts!

Para fotos exclusivas da Califórnia, siga-nos no Instagram @BDCiTV

Share:

Leave a reply